quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Mais cartões...








Este trabalho é essencialmente tecnológico, utilizamos as ferramentas da internet e do computador. Pesquisa de imagens natalinas, manuseio do Movie Maker, inserção de músicas e texto.
Todo trabalho foi mediado por mim, mas com a essência de cada aluno surdo.
O que fez a diferença foi a comunicação, a língua de sinais.
Ficou maravilhoso!!!!

Cartões de Natal

Cartões de Natal Digital

sábado, 5 de novembro de 2011

Passeando pela Itinerância

As unidades escolares que não comportarem a existência dos SAPEs, poderão contar com o atendimento itinerante a ser realizado por professores especializados responsáveis pelas salas de recursos alocados em SAPEs da região.


E.E. Cel. J.J. Bittencourt
Palmital



E.E. José Almeida dos Santos
Cândido Mota


E.E. Lea Rosa Melo Andreghetti
Assis

E.E. Cel. J.J. Bittencourt
Palmital






É preciso compartilhar...

São lindos demais!
É preciso compartilhar com todos!



quinta-feira, 3 de novembro de 2011

HALLOWEEN

Nesta atividade utilizei um programa  do Office chamado Publisher para a elaboração dos folhetos. Fizemos pesquisa sobre a origem do Halloween, leitura, seleção dos fatos relevantes do texto, roda de conversa reescrita e a revisão.
Trabalhamos com a leitura, escrita e a internet para selecionar imagens para o folheto e o próprio texto que utilizamos como referência. Fomos em busca da autonomia do uso desta ferramenta tecnológica.
A impressão valoriza e estimula os alunos na aquisição da língua escrita.
A visibilidade da atividade orienta os alunos em suas inferências, não que esta seja, a única forma, devemos pensar a construção da leitura de forma flexível.







quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Eu vou

CONVITE



A Campanha de Acessibilidade com o objetivo de conscientizar a população de Assis e os órgãos públicos e privados sobre a importância de desenvolver e articular ações que ampliem e qualifiquem a mobilidade, a acessibilidade, a comunicação e a segurança de pessoas com deficiência, idosos, gestantes, pessoas acompanhadas por crianças de colo, pessoas com restrição de mobilidade temporária ou permanente, vem convidá-los a participarem da
I Caminhada da Acessibilidade e Inclusão
à ser realizada no dia 11 de novembro de 2011, a partir das 8h30 na Praça Arlindo Luz e descer a avenida Rui Barbosa até a praça da Catedral de Assis COM apresentações da APAE, SER e SIM. O encerramento esta prevista para as 12h00.
Estarão participando desta ação, crianças da rede Municipal e Estadual da Educação, entidades e serviços de saúde e toda a população assisense.
Faça uma faixa ou cartaz com a mensagem a ser propagada nesta campanha e participe.


Assis, 26 de Outubro de 2011.
Atenciosamente,

Grupos de trabalhos do GAPED e ACIA

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Fazendo Arte



Repertoriar o aluno. Uma frase muito em moda atualmente. Trabalhar com a diversidade de textos escritos e suas funções.
Propiciar o conhecimento de autores e suas histórias, também contribui para aquisição da língua portuguesa como prática social. Lemos e escrevemos para aprendermos, para nos divertir, para satisfazer uma curiosidade, assim a língua deve funcionar no trabalho com o aluno surdo.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Escola para Todos

Saber –se que é possível construir uma escola para todos.
Não posso negar ao outro a chance ser ele mesmo em sua condição lingüística.
Pequenos passos, porém bem dados.


sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Nossa sala no jornal Diário de Assis

O SAPEs, serviços de apoio especializados, organizados na própria escola ou em outra unidade escolar, visa a inclusão, permanência, progressão e sucesso escolar de alunos com necessidades educacionais especiais, em classes comum de ensino regular, representam a alternativa mais eficaz no processo de atendimento desse alunado. (Resolução SE 11, de 31-01-2008)



Função da sala de recursos é viabilizar a língua portuguesa enquanto linguagem dialógica/funcionalidade/instrumental e enquanto área do conhecimento
(disciplinas curriculares);

Desenvolver uma educação bilingue de qualidade fundamental ao exercício de sua cidadania, na

Priorizar a língua de sinais como uma língua natural e primeira, bem como o aprendizado da língua portuguesa, como segunda língua.
qual o acesso aos conteúdos curriculares, leitura e escrita não dependem do dominio da oralidade;

Reescritas, recontos e relatos

Lenda da Matinta Pereira

Matinta Pereira é uma mulher idosa e assustadora que vive na região norte do Brasil.
Ela usa uma roupa escura e velha, diz a lenda que  passa a noite e madrugada  assoviando  estridente a amedrontando as pessoas. Aparece também com um pássaro escuro levando azar por onde passa.
Diz a lenda que as pessoas devem oferecer a ela fumo e comida no dia seguinte, para não ficar perturbando e rodeando as pessoas em suas casas.
Para prender Matinta Pereira é preciso executar alguns rituais: primeiro, enterrar no chão onde passa a Matinta Pereira uma tesoura aberta com um terço e uma chave. Assim, quando ela andar sobre esse lugar ficará presa.

Moisés Rodrigues Furtim

          03/08/2011


Reescritas, recontos e relatos

Saci – Pererê


Olhos do Saci - Pererê cor preto
Cor carapuça vermelho
Coitada vovó ele da nó
no novelo, danado
Cor negro pele
Ele gosta fumar cachimbo
A mulher fazer jantar
Muito divertido
Apagar o fogo
Quando sozinho
Ver redemoinho
É o Saci-Pererê
Vermelho capuz tirou carapuça
Colocar garrafa
Saci-Pererê preso fica.

**Jéssica Pereira da Silva**
             18\08\11
                                                             
                                                               O Lobisomem

Quando eu estava 8 anos de idade, tinha um vizinho que se chamava João Guedes.
O meu pai falava que ele virava lobisomem e dizia que há  meia noite ia ao galinheiro que tinha ao lado da minha  casa e se deitava e rolava nas fezes das galinhas virando  lobisomem.
Saia para as casas que tinham crianças para come-las.
Nós ficávamos olhando todos os dias o João e sua casa pra ver se aparecia alguma criança e olhávamos os seus braços e corpo  para ver se ele tinha pêlos e os olhos vermelhos.
Tínhamos muito medo dele.
Tudo isto era porque ele só gostava de comer carne estragada.
Um dia estávamos com muito medo a noite e meu pai falou que o lobisomem não  existia e que era só folclore.

Lenda contada Sandra Rodrigues Furtim
                                                             e reescrita por Moisés Rodrigues Furtim.

                                                                                   05/08/2011

Assista a mais uma parlenda em LIBRAS

Rei, Capitão...

Parlenda

Era uma bruxa...

sábado, 27 de agosto de 2011

Pós-graduação em LIBRAS


FACCAT oferece curso de pós-Graduação em LIBRAS

As Faculdades FACCAT oferecem, neste semestre, curso de pós-Graduação lato sensu em LIBRAS e Metodologias de Ensino para Alunos Surdos.

O objetivo é o de preparar profissionais qualificados para atuar, nas diversas situações do cotidiano da pessoa surda, em diferentes áreas educacionais: ensino, tradução e interpretação em Libras.

O Curso é direcionado a Professores e demais profissionais das diversas áreas do conhecimento que desejam ampliar seus conhecimentos sobre LIBRAS e metodologias de ensino para alunos surdos.

A pós graduação, coordenada pela Profª Drª Luciana Ferreira Leal, terá carga horária de 600 horas, divididas em 18 meses de aulas aos sábados ou às quartas-feiras.

As inscrições estão abertas na seção de pós-graduação, nas instalações da FACCAT, rua Cherentes, nº 36, nos telefones (14)34043622 ou (14)34043620, das 13h às 17h, e das 19h às 23h.

O curso contará com a participação de professores especialistas, mestres e doutores.


Luciana Leal

luciana_lea@hotmail.com

(14)9754-7407

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Falha Nossa

A Jéssica mudou de sinal!kkkkkkkkkkkkkkkk

Oficina para a Confecção de Materiais Adaptados- UNESP

Confeccionamos carimbos destinado a alunos sem movimento motor fino, pranchas imantadas para desenvolver conceitos matemáticos e caixas sensoriais. Tudo isso favorece a participação do deficiente físico nas atividades do ensino regular, entretanto, favorece também as aprendizagens de crianças sem nenhum comprometimento.






terça-feira, 23 de agosto de 2011

II Fórum de Educação Inclusiva e de Direitos da Pessoa com Deficiência

Recursos Adaptados para a inclusão educacional


Este livro foi todo confeccionado em alto relevo, com texturas diferentes, sendo cada página construída de acordo com a necessidade do aluno, atendendo também, o contexto da sala regular.



Para alunos com alteração motora fina, a colméia se encaixa no teclado normal, impedindo o toque involuntário em outras teclas.


Exemplos de auxílios para a vida diária, como escovas, colheres, fixadores de lápis, letras móveis mais grossas, estes últimos são facilitadores de baixo custo, podendo ser confeccionado com EVA.



Aqui uma prancha com inclinação, imantada que favorece aquele sem muito movimento de tórax, utilizada para comunicação, produção de texto e atividades de soma.







Este aparelho funciona como mouse, com entrada USB, indicado para pessoas com ausência de membros e movimento, podendo ser utilizado ainda nos pés.



Nesta prancha, temos exemplos de clássicos da literatura infantil, utilizam os sinais na estrutura da língua portuguesa. Ao lado um software de comunicação alternativa e aumentativa, com figuras que expressam ações sociais, verbos, adjetivos, lugares, etc. Sendo indicada a pessoa com ausência da fala.


segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Legislação para Admissão de Interlocutores

Resolução SE - 8, de 19-6-2009 Língua Brasileira de Sinais

Resolução SE - 8, de 19-6-2009 Língua Brasileira de Sinais - Libras Clipping Educacional - Da Educação Dispõe sobre a admissão de docentes com qualificação na Língua Brasileira de Sinais - Libras, nas escolas da rede estadual de ensinoO Secretário da Educação, à vista das disposições da Lei nº10.098/2000, da Lei nº 10.436/2002, do Decreto Federal nº5.626/2005 e considerando a necessidade de se garantir aos alunos surdos ou com deficiência auditiva, o acesso às informações e aos conhecimentos curriculares dos ensinos fundamental e médio, resolve:

Artigo 1º - As unidades escolares da rede estadual de ensino incluirão em seu quadro funcional docentes que apresentem qualificação e proficiência na Língua Brasileira de Sinais -Libras, quando tiverem alunos surdos ou com deficiência auditiva,que não se comunicam oralmente, matriculados em salas de aula comuns do ensino regular.

§ 1º - Os docentes a que se refere o caput deste artigo atuarão na condição de interlocutor dos professores e dos alunos,nas classes e/ou nas séries do ensino fundamental e médio,inclusive da educação de jovens e adultos (EJA)

§ 2º - a admissão do docente interlocutor da LIBRAS/Língua Portuguesa assegurará, aos alunos surdos ou com deficiência auditiva, a comunicação interativa professor-aluno no desenvolvimento das aulas, possibilitando o entendimento e o acesso à informação, às atividades e aos conteúdos curriculares, no processo de ensino e aprendizagem.

Artigo 2º - o docente interlocutor cumprirá o número de horas semanais correspondente à carga horária da classe ou da série em que irá atuar, no desenvolvimento de cada uma das aulas diárias, inclusive das de Educação Física, mesmo quando ministradas no contra turno de funcionamento da classe/série atendida.

§ 1º - a atribuição da carga horária a que se refere o caput observará a ordem de classificação dos docentes e candidatos inscritos e/ou cadastrados para o processo anual de atribuição de classes e aulas, nos termos dos itens 3 e 4 do parágrafo 2º do artigo 15 da Resolução SE-97, de 23 de dezembro de 2008.

§ 2º - Os candidatos devem ser portadores de diploma de licenciatura plena, para atuação nas séries finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio, ou de curso de nível médio com habilitação em Magistério, para atuação nas séries iniciais do Ensino Fundamental, e apresentar pelo menos um dos seguintes títulos:

1 - diploma ou certificado de curso de graduação ou de pós-graduação em Letras - Libras;

2 - certificado de proficiência em Libras, expedido pelo MEC;

3 - certificado de conclusão de curso de Libras de, no mínimo, 120 (cento e vinte) horas.

4 - habilitação ou especialização em Deficiência Auditiva/Audio comunicação com carga horária de LIBRAS

§ 3º - o docente interlocutor será admitido como Professor Educação Básica I - PEB I, a ser remunerado com base no valor fixado na Faixa 1 da Escala de Vencimentos - Classe Docentes(EV-CD), no Nível IV, se portador de diploma de licenciatura plena, ou no Nível I, quando portador de diploma de nível médio.

Artigo 3º - Caberá às Diretorias de Ensino, em sua área de jurisdição:

I - identificar, em cada unidade escolar, a demanda de alunos que necessitam do atendimento previsto nesta resolução;

II - racionalizar, antes do início do ano letivo, a demanda regional de alunos, buscando efetivar as matrículas da forma mais adequada ao atendimento dos alunos;

III - promover orientação técnica aos docentes interlocutores, com vistas a definir sua área de atuação, mediante a observância dos preceitos éticos de imparcialidade, frente à autonomia e ao desempenho do professor da classe/série, e à não interferência na atenção e no desenvolvimento da aprendizagem relativamente aos demais alunos;

IV - orientar e esclarecer os gestores e os docentes das unidades escolares sobre a natureza das ações a serem desenvolvidas pelo docente interlocutor, favorecendo condições de aceitação e adequações necessárias à implementação desse atendimento especializado;

V - providenciar, quando necessário em sua região, a qualificação de professores da rede, mediante a realização de cursos de formação continuada em Libras, de no mínimo 120(cento e vinte) horas, com expedição da certificação correspondente, promovidos por instituições credenciadas pela Secretariada Educação.

Artigo 4º - Caberá à Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas, conjuntamente com as Coordenadorias de Ensino:

I - homologar a quantidade e o atendimento dos alunos, de que trata esta resolução, a serem atendidos por Diretoria de Ensino, observadas as quantidades de alunos matriculados em classes/séries comuns, sem descaracterizar atendimento ao preceito da inclusão;

II - expedir normas de procedimento e diretrizes didático pedagógicas para subsidiar as Diretorias de Ensino na realização das orientações técnicas aos docentes interlocutores, bem como nos esclarecimentos aos gestores e docentes das unidades escolares;

III - autorizar e credenciar instituições para a realização decursos de Libras nas Diretorias de Ensino;

IV - decidir sobre situações atípicas que possam se verificar e/ou solucionar casos omissos.

Artigo 5º - no corrente ano, visando a atender às respectivas demandas, as Diretorias de Ensino poderão reabrir período de cadastramento, a qualquer tempo, se necessário, a fim de abranger candidatos qualificados para o exercício da função de docente interlocutor.
Artigo 6º - Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação.

fonte:www.imprensaoficial.com.br



domingo, 14 de agosto de 2011

Tecnologias, Leitura e Produções de Texto

O processo de aquisição da língua portuguesa na modalidade escrita é longo e difícil para surdos. Utilizar recursos tecnológicos torna a escrita prazerosa. A tecnologia está impregnada nas práticas socias de leitura e escrita.



sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Folclore em Sinais

Origami e Folclore

Para fazer dobraduras o papel mais utilizado é o espelho, colorido de um lado e branco do outro.
O Origame tradicional japonês não permite cortes com tesoura ou cola, porém foram criados estilos diferentes de acordo com cada cultura.
A arte das dobraduras, tem sido bastante divulgadas no Brasil, como recurso pedagógico e interdisciplinar. Favorece, a coordenação motora fina, o equilíbrio dos dois hemiférios do cérebro, pois para execução das dobras no papel, devemos usar as duas mãos com a mesma intensidade.