sábado, 27 de agosto de 2011

Pós-graduação em LIBRAS


FACCAT oferece curso de pós-Graduação em LIBRAS

As Faculdades FACCAT oferecem, neste semestre, curso de pós-Graduação lato sensu em LIBRAS e Metodologias de Ensino para Alunos Surdos.

O objetivo é o de preparar profissionais qualificados para atuar, nas diversas situações do cotidiano da pessoa surda, em diferentes áreas educacionais: ensino, tradução e interpretação em Libras.

O Curso é direcionado a Professores e demais profissionais das diversas áreas do conhecimento que desejam ampliar seus conhecimentos sobre LIBRAS e metodologias de ensino para alunos surdos.

A pós graduação, coordenada pela Profª Drª Luciana Ferreira Leal, terá carga horária de 600 horas, divididas em 18 meses de aulas aos sábados ou às quartas-feiras.

As inscrições estão abertas na seção de pós-graduação, nas instalações da FACCAT, rua Cherentes, nº 36, nos telefones (14)34043622 ou (14)34043620, das 13h às 17h, e das 19h às 23h.

O curso contará com a participação de professores especialistas, mestres e doutores.


Luciana Leal

luciana_lea@hotmail.com

(14)9754-7407

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Falha Nossa

A Jéssica mudou de sinal!kkkkkkkkkkkkkkkk

Oficina para a Confecção de Materiais Adaptados- UNESP

Confeccionamos carimbos destinado a alunos sem movimento motor fino, pranchas imantadas para desenvolver conceitos matemáticos e caixas sensoriais. Tudo isso favorece a participação do deficiente físico nas atividades do ensino regular, entretanto, favorece também as aprendizagens de crianças sem nenhum comprometimento.






terça-feira, 23 de agosto de 2011

II Fórum de Educação Inclusiva e de Direitos da Pessoa com Deficiência

Recursos Adaptados para a inclusão educacional


Este livro foi todo confeccionado em alto relevo, com texturas diferentes, sendo cada página construída de acordo com a necessidade do aluno, atendendo também, o contexto da sala regular.



Para alunos com alteração motora fina, a colméia se encaixa no teclado normal, impedindo o toque involuntário em outras teclas.


Exemplos de auxílios para a vida diária, como escovas, colheres, fixadores de lápis, letras móveis mais grossas, estes últimos são facilitadores de baixo custo, podendo ser confeccionado com EVA.



Aqui uma prancha com inclinação, imantada que favorece aquele sem muito movimento de tórax, utilizada para comunicação, produção de texto e atividades de soma.







Este aparelho funciona como mouse, com entrada USB, indicado para pessoas com ausência de membros e movimento, podendo ser utilizado ainda nos pés.



Nesta prancha, temos exemplos de clássicos da literatura infantil, utilizam os sinais na estrutura da língua portuguesa. Ao lado um software de comunicação alternativa e aumentativa, com figuras que expressam ações sociais, verbos, adjetivos, lugares, etc. Sendo indicada a pessoa com ausência da fala.


segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Legislação para Admissão de Interlocutores

Resolução SE - 8, de 19-6-2009 Língua Brasileira de Sinais

Resolução SE - 8, de 19-6-2009 Língua Brasileira de Sinais - Libras Clipping Educacional - Da Educação Dispõe sobre a admissão de docentes com qualificação na Língua Brasileira de Sinais - Libras, nas escolas da rede estadual de ensinoO Secretário da Educação, à vista das disposições da Lei nº10.098/2000, da Lei nº 10.436/2002, do Decreto Federal nº5.626/2005 e considerando a necessidade de se garantir aos alunos surdos ou com deficiência auditiva, o acesso às informações e aos conhecimentos curriculares dos ensinos fundamental e médio, resolve:

Artigo 1º - As unidades escolares da rede estadual de ensino incluirão em seu quadro funcional docentes que apresentem qualificação e proficiência na Língua Brasileira de Sinais -Libras, quando tiverem alunos surdos ou com deficiência auditiva,que não se comunicam oralmente, matriculados em salas de aula comuns do ensino regular.

§ 1º - Os docentes a que se refere o caput deste artigo atuarão na condição de interlocutor dos professores e dos alunos,nas classes e/ou nas séries do ensino fundamental e médio,inclusive da educação de jovens e adultos (EJA)

§ 2º - a admissão do docente interlocutor da LIBRAS/Língua Portuguesa assegurará, aos alunos surdos ou com deficiência auditiva, a comunicação interativa professor-aluno no desenvolvimento das aulas, possibilitando o entendimento e o acesso à informação, às atividades e aos conteúdos curriculares, no processo de ensino e aprendizagem.

Artigo 2º - o docente interlocutor cumprirá o número de horas semanais correspondente à carga horária da classe ou da série em que irá atuar, no desenvolvimento de cada uma das aulas diárias, inclusive das de Educação Física, mesmo quando ministradas no contra turno de funcionamento da classe/série atendida.

§ 1º - a atribuição da carga horária a que se refere o caput observará a ordem de classificação dos docentes e candidatos inscritos e/ou cadastrados para o processo anual de atribuição de classes e aulas, nos termos dos itens 3 e 4 do parágrafo 2º do artigo 15 da Resolução SE-97, de 23 de dezembro de 2008.

§ 2º - Os candidatos devem ser portadores de diploma de licenciatura plena, para atuação nas séries finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio, ou de curso de nível médio com habilitação em Magistério, para atuação nas séries iniciais do Ensino Fundamental, e apresentar pelo menos um dos seguintes títulos:

1 - diploma ou certificado de curso de graduação ou de pós-graduação em Letras - Libras;

2 - certificado de proficiência em Libras, expedido pelo MEC;

3 - certificado de conclusão de curso de Libras de, no mínimo, 120 (cento e vinte) horas.

4 - habilitação ou especialização em Deficiência Auditiva/Audio comunicação com carga horária de LIBRAS

§ 3º - o docente interlocutor será admitido como Professor Educação Básica I - PEB I, a ser remunerado com base no valor fixado na Faixa 1 da Escala de Vencimentos - Classe Docentes(EV-CD), no Nível IV, se portador de diploma de licenciatura plena, ou no Nível I, quando portador de diploma de nível médio.

Artigo 3º - Caberá às Diretorias de Ensino, em sua área de jurisdição:

I - identificar, em cada unidade escolar, a demanda de alunos que necessitam do atendimento previsto nesta resolução;

II - racionalizar, antes do início do ano letivo, a demanda regional de alunos, buscando efetivar as matrículas da forma mais adequada ao atendimento dos alunos;

III - promover orientação técnica aos docentes interlocutores, com vistas a definir sua área de atuação, mediante a observância dos preceitos éticos de imparcialidade, frente à autonomia e ao desempenho do professor da classe/série, e à não interferência na atenção e no desenvolvimento da aprendizagem relativamente aos demais alunos;

IV - orientar e esclarecer os gestores e os docentes das unidades escolares sobre a natureza das ações a serem desenvolvidas pelo docente interlocutor, favorecendo condições de aceitação e adequações necessárias à implementação desse atendimento especializado;

V - providenciar, quando necessário em sua região, a qualificação de professores da rede, mediante a realização de cursos de formação continuada em Libras, de no mínimo 120(cento e vinte) horas, com expedição da certificação correspondente, promovidos por instituições credenciadas pela Secretariada Educação.

Artigo 4º - Caberá à Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas, conjuntamente com as Coordenadorias de Ensino:

I - homologar a quantidade e o atendimento dos alunos, de que trata esta resolução, a serem atendidos por Diretoria de Ensino, observadas as quantidades de alunos matriculados em classes/séries comuns, sem descaracterizar atendimento ao preceito da inclusão;

II - expedir normas de procedimento e diretrizes didático pedagógicas para subsidiar as Diretorias de Ensino na realização das orientações técnicas aos docentes interlocutores, bem como nos esclarecimentos aos gestores e docentes das unidades escolares;

III - autorizar e credenciar instituições para a realização decursos de Libras nas Diretorias de Ensino;

IV - decidir sobre situações atípicas que possam se verificar e/ou solucionar casos omissos.

Artigo 5º - no corrente ano, visando a atender às respectivas demandas, as Diretorias de Ensino poderão reabrir período de cadastramento, a qualquer tempo, se necessário, a fim de abranger candidatos qualificados para o exercício da função de docente interlocutor.
Artigo 6º - Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação.

fonte:www.imprensaoficial.com.br



domingo, 14 de agosto de 2011

Tecnologias, Leitura e Produções de Texto

O processo de aquisição da língua portuguesa na modalidade escrita é longo e difícil para surdos. Utilizar recursos tecnológicos torna a escrita prazerosa. A tecnologia está impregnada nas práticas socias de leitura e escrita.



sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Folclore em Sinais

Origami e Folclore

Para fazer dobraduras o papel mais utilizado é o espelho, colorido de um lado e branco do outro.
O Origame tradicional japonês não permite cortes com tesoura ou cola, porém foram criados estilos diferentes de acordo com cada cultura.
A arte das dobraduras, tem sido bastante divulgadas no Brasil, como recurso pedagógico e interdisciplinar. Favorece, a coordenação motora fina, o equilíbrio dos dois hemiférios do cérebro, pois para execução das dobras no papel, devemos usar as duas mãos com a mesma intensidade.