quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Sequência Didática sobre Cordel

LITERATURA DE CORDEL 

OBJETIVO(S) 

- Conhecer a literatura de cordel 
- Produção cultural, análise da linguagem verbal e não verbal e o suporte. 
- Compreender a técnica da xilogravura (conhecer o processo de entalhe e impressão)
- Conhecer artistas que trabalham com a literatura de cordel.
- Valorizar as diversas culturas do país, sua contribuição para a identidade nacional. 
- Reconhecer a influência da cultura nordestina em outras culturas no Brasil.

CONTEÚDO(S)

 - Leitura e interpretação de cordel

TEMPO ESTIMADO

 Um mês 

MATERIAL NECESSÁRIO 

- Cordel, vídeo, caixa de papelão, lápis de olho, livros de lendas e fábulas. 

DESENVOLVIMENTO: 

 1ª ETAPA - Conversa com a turma sobre a literatura de cordel: sua origem, o porquê do nome, seu desenvolvimento no Brasil, o preconceito que pesou sobre o gênero no passado, sua valorização nos dias de hoje etc. - Linha, forma, plano, profundidade espacial (artes) - Regiões do Brasil: Norte, Nordeste, Sul, Sudeste, Centro Oeste e os Estados que compõem cada região (Geografia) - Levantar hipóteses a respeito do título “A moça que dançou depois de morta”. Mostrar vídeo e confirmar as hipóteses ou não. Trabalhar com estrofes que são representadas no vídeo. http://www.portacurtas.com.br/Filme.asp?Cod=3144 

 2ª ETAPA Compartilhe com os estudantes as informações reunidas sobre a literatura de cordel. Informe-os de que você vai ler com eles um dos maiores clássicos do gênero - nada menos que o folheto mais vendido de todos os tempos. Aos alunos será trabalhado a estrutura do cordel, sextilhas. 

3ª ETAPA - CONTO Nesta fase trabalhei a produção do primeiro cordel, cada aluno escolherá um conto ou lenda conhecido e reescreverá este conto na estrutura de cordel. Confecção de uma caixa com desenhos em preto e branco, nesta caixa ficarão os cordéis produzidos pelos alunos. 

4ª ETAPA – AMOR Para consolidar a estrutura do cordel deverão escrever sobre o amor e suas marcas. 

5ª ETAPA – VÍDEO TRECHO DO FILME “AUTO DA COMPADECIDA” A partir de um trecho do filme do “Auto da Compadecida”, cada aluno deverá produzir o cordel com 4 estrofes e 

6ª ETAPA – RELEITURA DE IMAGEM RELEITURA 

7ª ETAPA – OFICINA DE XILOGRAVURA Uma alternativa é improvisar com materiais mais simples. Por exemplo: usando bandejas de isopor (essas de alimentos, que geralmente as pessoas jogam fora - é uma boa já entrar com o assunto do lixo no meio ambiente), corte as abas, deixando só o fundo, para ficar mais fácil e não quebrar. Com o lápis, as crianças desenham, formando os sulcos. Depois, com um rolinho e tinta guache, passar sobre o desenho e em seguida, imprimi-lo em um papel. Não é exatamente xilogravura, mas pelo menos você exemplifica a técnica. Para realizar seu trabalho o aluno deverá ilustrar através da xilogravura o trecho que escolheu de um cordel. 

Segue um link com tutorial sobre xilogravura http://comunidade.bemsimples.com/tempo-livre/w/tempo-livre/Como-fazer-uma-xilogravura.aspx


8ª ETAPA A vida contada em Cordel 

AVALIAÇÃO Verifique se os alunos conseguiram interpretar adequadamente o cordel e analise o compromisso deles com a preparação da leitura. Exposição de todas as produções. 

SEQUÊNCIA DIDÁTICA 

PÚBLICO ALVO: alunos com Perdas Auditivas Leve a Moderada 


Nessa sequência didática os alunos irão refletir sobre as relações entre a fala e a escrita e, ao mesmo tempo, vivenciar situações concretas de usos sociais da escrita. Acredita-se que essa postura pedagógica auxilia às crianças, desde o início do processo de alfabetização, na construção de significações para os textos lidos e no reconhecimento de suas funções sociais. Entregue uma cópia para cada aluno, escreva o poema em um cartaz e deixe-o fixado na sala. É importante que, ao ver a leitura do professor, as crianças percebam pela expressão facial e CL a poética do cordel. Leia o nome do cordel e peça aos alunos que levantem hipóteses sobre o assunto que será tratado. Logo após, faça a leitura de todo o texto. Ao final da leitura, peça às crianças que verifiquem se suas hipóteses se confirmaram. Além disso, converse com a turma sobre a forma de declamar o cordel, o conteúdo que ele aborda e a sua estrutura. Você pode perguntar: -“Como o cordel foi declamado?” - “Ele tem rimas? Quais são? (leia cada estrofe para que os alunos identifiquem as rimas) Para que elas servem?” - “Que história o texto conta?” - “Quantos versos e estrofes têm o cordel?” Durante o processo de alfabetização, é importante que você faça às crianças perguntas que visem trabalhar a capacidade de produzir inferências. Por meio dessas questões, os alunos serão desafiados a ler o texto em suas entrelinhas, ou seja, a perceber as informações que não estão ditas explicitamente. Abaixo, sugestões de perguntas: - “Por que, ao final da história, se diz": “SE ADULTO TEM INVEJA QUE VOLTE A SER CRIANCINHA” - “Para o autor, qual a diferença entre ‘ser criança’ e ‘ser adulto’? Os aprendizes deverão perceber que, nas "entrelinhas", o autor passa a seguinte informação: o adulto não brinca, enquanto a criança sim. Por isso, se tiver inveja deve voltar a ser criança. 

2.1 REFAZENDO O CORDEL. Retome o cordel “BRINCADEIRA DE CRIANÇA”, registrado no cartaz, e proponha à turma o desafio de montá-lo em outro cartaz e fixá-lo em alguns locais da escola. Para isso, divida a sala em seis grupos e entregue para cada um uma folha de papel craft e as palavras de uma estrofe do cordel, escritas em uma ficha de cartolina. Nesta atividade, os alunos deverão consultar o cordel registrado no cartaz pela professora. Ao final, cada grupo deverá ter confeccionado uma estrofe do cordel, totalizando duas montagens de cada 

2.2 BRINCANDO COM AS RIMAS Proponha às crianças o jogo das rimas. Escreva as palavras do cordel (“BRINCADEIRA DE CRIANÇA”) que rimam em uma ficha e siga as seguintes instruções: • Organize os alunos em uma roda e peça que um deles segure um barbante. • Solicite à turma que leia as primeiras palavras rimadas, escritas nas fichas. Exemplo: CHÃO e CORAÇÃO. • O aprendiz que estiver com o barbante deverá dizer outra palavra que rima com CHÃO/CORAÇÃO e jogar o rolo para um colega. • Cada aluno que receber o rolo também deverá dizer uma palavra que rima com CHÃO/CORAÇÃO. • À medida que as crianças falarem as palavras, você pode listá-las no quadro e chamar atenção para a sua grafia e o seu som. • Repita o mesmo procedimento com outras palavras do cordel. 

2.3 QUAL A MINHA BRINCADEIRA PREFERIDA. Divida a sala em duplas, distribua uma folha de ofício para cada uma, e leia novamente o cordel. As crianças deverão escolher um brinquedo ou brincadeira citada no texto para fazer o seguinte trabalho: • Recortar de jornais ou revistas as letras que formam o nome da brincadeira escolhida, montá-lo na folha de ofício e desenhar a referida brincadeira. • Cada dupla irá ler para os colegas o nome da brincadeira eleita, dizer por que a escolheu e explicar como a desenhou. - • O trabalho poderá ser fixado no mural da sala. Com esta atividade, as crianças começarão a se familiarizar com a grafia e som de algumas palavras chave do cordel. Esse procedimento é muito importante no processo de alfabetização, pois, essas palavras poderão servir de fonte de consulta para a reflexão e a escrita de outras palavras. 

2.4 LISTA DE BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS. Proponha às crianças a elaboração de uma lista de brinquedos e brincadeiras. Essa lista deverá ser iniciada com as brincadeiras citadas pelo cordel e completada com outros brinquedos e brincadeiras que os aprendizes conheçam. Explique os objetivos da lista: escrever as brincadeiras e os brinquedos com os quais a turma brincará. Em cada dia da semana, os alunos irão ler o nome de uma brincadeira, jogá-la no pátio da escola e marcar na lista. No momento de elaboração da lista, explique a forma de organização desse texto: geralmente, é estruturado com um item debaixo do outro, pois facilita a visualização e a leitura de cada um deles. Ao escrever cada brincadeira, estimule as crianças a levantarem hipóteses sobre a grafia das palavras. Além disso, é importante solicitar a elas que identifiquem o número de sílabas e de letras das palavras e as suas letras iniciais e finais. 

2.5 JOGO: “QUAL É A BRINCADEIRA?” Desenhe, no chão do pátio da escola, círculos grandes com os nomes das brincadeiras trabalhadas. Divida as crianças em três grupos. Você falará o nome de uma brincadeira para cada grupo e eles deverão se direcionar ao círculo em que está escrito esse nome. Em outro momento, você pode pedir que todos os alunos se direcionem ao nome de uma única brincadeira. É importante que você explore a letra inicial e final de cada palavra, o seu número de letras e de sílabas. 

2.6 COM QUEM ESTÁ A BRINCADEIRA? Em sala, entregue aos alunos, aleatoriamente, as brincadeiras escritas em uma ficha. Explique que, quando você falar o nome de uma brincadeira, o aluno que estiver com ele deverá fixa-lo no quadro. Explore também a letra inicial e final das palavras e o seu número de sílabas. 


ATIVIDADE 3: 

PRODUZINDO NOSSO CORDEL OBJETIVOS: Produzir um cordel, obedecendo o modo como ele é organizado. Releia o texto “BRINCADEIRAS DE CRIANÇA” e proponha aos aprendizes a produção de um cordel da turma. Como é a primeira vez que os alunos escreverão esse tipo de texto, sugerimos a elaboração de um cordel com esse mesmo tema, porém, que fale de outros brinquedos e brincadeiras, que são do seu cotidiano. O cordel deverá ser escrito coletivamente. 

3.1 EXPLIQUE À TURMA QUE A ESCRITA DE UM TEXTO ENVOLVE TRÊS ETAPAS: PLANEJAMENTO, REDAÇÃO E AVALIAÇÃO. Convide os alunos a planejarem o texto, listando as brincadeiras que farão parte do cordel. Você pode deixá-las no canto do quadro. Assim, sempre que necessário, eles poderão retornar a esse registro para incluir alguma brincadeira no poema. Relembre, ainda, que o poema é formado por versos, que, por sua vez, formam estrofes. Os versos são curtos e, preferencialmente, deverão rimar. Sugerimos que você registre o cordel em um cartaz e os alunos em seu caderno. Após a escrita, leia o texto para a turma e peça que o avaliem. Deverão perceber se conseguiram produzir versos que rimam e se desejam modificar algo. 

3.2 PROPONHA AOS ALUNOS O DESAFIO DE ESCREVER O CORDEL EM UM SUPORTE SEMELHANTE AO USADO PELOS CORDELISTAS. Assim, poderão levar o cordel para casa e mostrar a amigos e familiares. Distribua um pequeno caderno (com o tamanho aproximando de um quarto da folha de ofício. Você pode, por exemplo, cortar uma folha em quatro partes e grampear, formando um caderninho). Cada aprendiz deverá copiar o cordel no caderno, observando o tamanho da letra a ser usada, a organização do texto em versos e estrofes, o espaçamento entre as palavras e a sua grafia correta. Ao final, deverão fazer a capa do cordel, com uma bonita ilustração, e o nome do autor do texto. 

ATIVIDADE 4:


DECLAMANDO CORDEL OBJETIVO: Declamar o cordel em público Proponha às crianças a declamação do cordel ao público da escola. Ela poderá ser feita no momento do início ou do término das aulas, ou em outra ocasião que você julgue pertinente. Explique à turma que, para a realização da apresentação em público, é necessário planejar o que irão dizer e como dirão. Sugerimos que você ensaie com a turma o modo como cada aluno deverá se posicionar, o tom, a entonação de voz e o ritmo na declamação da poesia. Após a apresentação, peça aos aprendizes que avaliem a atuação de cada colega segundo os critérios discutidos anteriormente.